Artigos

30/10/2012

VAI, MENINO. VAI, PREFEITO.

Prof. Tales de Sá Cavalcante

Diretor Superintendente da Organização Educacional Farias Brito

Aquele menino, educado pelo exemplo, muito prometia. Pai, tios e avôs tiveram sucessos comprovados pelos destaques obtidos como profissionais da Educação. Mãe e avós foram exitosas na mais nobre de todas as atividades: a formação de seus filhos. Em vez da acomodação pelo privilégio de sua descendência, ele preferiu, desde menino, seguir a máxima de D. Hélder Câmara, ao considerar que “quanto mais difíceis são os obstáculos, mais apaixonantes são os desafios”.

Quando o Colégio Farias Brito iniciava seu projeto de Turmas Olímpicas, um de seus alunos mais brilhantes era aquele menino gordinho, alegre, de bem com a vida. Já naquela época, revelava-se líder, conciliador, agregador, preocupava-se com os outros antes de si e era um inconformado com a situação dos mais humildes. Como seu diretor, falávamos por pensamento: “Vai, menino, vai. O futuro
te espera para te desafiar, e, como nasceste para brilhar e vencer, sabemos que o mundo verá teu brilho e tuas vitórias.” Sentíamos que sua formação deveria dar-se em consonância com a citação do publicitário Orlando Mota, quando disse: “Educar é ensinar a criar asas.” Ao observarmos suas atitudes, pensávamos: “Vai, menino, vai, que a vida mostra os talentos a iniciarem-se mais cedo nos voos, assim como prova o insucesso dos que desejam cortar suas asas.”

Naquele tempo, dizíamos silenciosamente: “Vai, menino, vai. Tu vencerás.” O menino, já adolescente, foi, viu e venceu o vestibular mais difícil do Ceará. Depois de se formar em Medicina, especializou-se em Saúde Pública e, após brilhar nos Estados Unidos ao se tornar Ph.D., optou por destinar o seu doutorado para outrem e não para si.

 
Ao se casar, escolheu uma companheira cujos valores se identificam com os dele, e a maior sincronicidade entre eles é a vocação à política com “P” maiúsculo. Ao sabermos da sua intenção de ingresso na vida pública, pensamos: “Vai, menino, vai e mostra, pelo exemplo, que o publicitário Washington Olivetto verá em ti uma exceção à sua histórica frase: ‘Não faço marketing eleitoral por não aceitar divulgar um produto que é entregue diferente do anunciado.’”

Tivemos o privilégio de conhecer o menino, o adolescente e o homem. Quando se lançou, ainda tão jovem, candidato a prefeito, refletimos: “Vai, menino, expõe tuas propostas. Vai e brilha, porque nasceste para brilhar. Foste deputado, e, agora, a cidade te escolheu Prefeito.”

Agora, são todos os fortalezenses que dizem: “Vai, Prefeito. Vai, Roberto Claudio, vai e faz bonito como tua família sempre fez. Vai, Prefeito, e apresenta mais um exemplo que sai do Ceará para o Brasil. Vai e mostra que nossos filhos e netos não verão mensalões na TV. Vai e prova que bem público é do povo e homem público é quem serve ao povo e não ao bolso. Vai, Prefeito, aplica o que aprendeste, segura as mãos de todos nós fortalezenses, independentemente de raça, ideologia ou filiação partidária. Vai, Prefeito, e voa conosco em busca dos nossos sonhos.”

 
Diário do Nordeste. 30/10/2012 (terça-feira).

Veja mais

28/11/2011
( Prof. Tales de Sá Cavalcante )
10/10/2011
( Prof. Tales de Sá Cavalcante )
03/09/2011
( Prof. Tales de Sá Cavalcante )
24/06/2011
( Eduardo Pragmácio Filho )
24/06/2011
( Prof. Tales de Sá Cavalcante )