Mercado de trabalho

Assim como acontece com outras engenharias, o mercado de trabalho para os formados em Engenharia Elétrica está bastante aquecido. Além do bom momento do país, o engenheiro eletricista tem uma formação generalista, que lhe permite atuar em diversas áreas. Entre outras opções, o setor financeiro é um dos que mais procuram por esse profissional. Na área específica, o segmento de transmissão e distribuição vive um momento importante de renovação dos profissionais que ocuparam os cargos nos anos 1970, quando o setor teve um crescimento muito grande.

Além disso, as áreas de pesquisa e desenvolvimento em empresas de energia, computação e telecomunicações também contratam o profissional. Concessionárias de energia, construtoras, empresas de tecnologia da informação são empregadoras tradicionais. O crescimento do Norte e do Nordeste promete boas chances aos recém-formados que têm encontrado trabalho até no exterior.

A Engenharia Elétrica é a área da engenharia que lida com a geração, a transmissão, o transporte e a distribuição da energia elétrica.

O engenheiro eletricista planeja, supervisiona e executa projetos nas áreas de eletrotécnica, relacionadas à potência da energia. Ele está habilitado a construir e a aplicar sistemas de automação e controle em linhas de produção industrial, no desenvolvimento de componentes eletroeletrônicos, na operação e manutenção de equipamentos em hospitais e clínicas e em projetos de instalações elétricas em indústrias, comércios e residências. Também participa do projeto e da construção de usinas hidrelétricas, termelétricas e nucleares. Além das concessionárias de energia, o profissional com essa graduação encontra emprego em empresas de telecomunicações (desde fábricas de celulares até operadoras de sistemas de comunicação), indústrias de equipamentos, automação, fábricas de motores e geradores, consultorias ou em empresas prestadoras de serviços em computação.